quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Adição de leucina garante maior síntese proteica?

A Leucina é um aminoácido de cadeia ramificada, com efeitos muito promissores na estimulação de uma proteína regulatória central, o mTOR (mamalian target of rapamycin) (1,2). Este mTOR é sensível a diversos factores, entre eles: nutrientes (alguns em particular), factores de crescimento, sinalização mitocondrial e exercício (3). Segundo alguns autores o mTOR é mesmo o “superintendente” do crescimento celular (3). Será que a adição de leucina a um batido de proteína, pode promover mais anabolismo?




A leucina é um aminoácido essencial, que faz parte do grupo dos 3 aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA’s, os outros dois são a isoleucina e a valina.) Dos 3 BCAA’s a leucina tem um papel muito importante na regulação da energia e metabolismo proteico. A particularidade dos BCAA’s, em relação aos outros aminoácidos, prende-se com a estrutura química do seu grupo R, que se traduz numa cadeia ramificada hidrocarbonada. Esta característica permite a estes aminoácidos serem primariamente oxidados no músculo-esquelético e não no fígado. 

Os BCAA’s, no músculo, doam o seu grupo amina, gerando os α-cetoácidos: ácido α-cetoisocapróico, ácido α-ceto-β-metilvalérico e ácido α-cetoisovalérico. Estes produtos da transaminação dos BCAA’s entram no ciclo de Krebs contribuindo para a produção de ATP. A doação do grupo amina dos BCAA’s também permite ao ácido glutâmico ser convertido em glutamina pelo enzima glutamina sintetase. A glutamina representa cerca de 60-70% dos aminoácidos presentes no músculo.


Curso de Nutrição Desportiva, Tudor Bompa Institute.
Filipe Teixeira 2013, todos os direitos reservados





Estima-se que muitos dos efeitos anabólicos do Whey se devem ao seu elevado conteúdo de leucina (4,5), então e se adicionarmos leucina à caseína que tem menor teor de leucina?

Foi o que este estudo (6) decidiu fazer…



Método

24 homens idosos (74.3±1.0 anos), foram de forma aleatória divididos em 2 grupos: 1 ingeriu a caseína marcada com L-[1-13C]fenilalanina) + 2.5g de leucina cristalina (PRO + LEU) e o outro apenas a caseína (PRO). O objectivo da inclusão deste isótopo da fenilalanina é poder marcar a caseína, e analisar o seu contexto fisiológico.

Resultado

A concentração de aminoácidos plasmáticos aumentou em ambos os grupos. Os resultados também parecem indicar que o grupo que consumiu a caseína + leucina (PRO + LEU), teve maiores concentrações de leucina plasmática (eu diria que faz sentido), com um p < 0.01, em relação ao grupo que apenas consumiu a caseína (PRO). Também parece que o grupo que ingeriu PRO + LEU, obteve maior concentração de proteína no músculo em comparação com o grupo da PRO apenas. Os autores também concluíram que a síntese proteica foi mais aumentada no período pós-prandial (de 6 horas) no grupo PRO + LEU em relação ao grupo PRO. A conclusão dos autores é que a adição de leucina a um bólus de proteína, aumenta a síntese proteica pós-prandial em idosos.


Cumprimentos,
Filipe Teixeira
Director Of Nutrition-Tudor Bompa Institute International
The Tudor Bompa Institute, Portugal
Direcção Técnica-Body Temple, Lda


As opiniões aqui contidas apenas reflectem a opinião do autor e não necessáriamente da empresa Body Temple Lda/Tudor Bompa Institute. Consulte sempre o seu médico ou profissional de saúde antes de enveredar por qualquer suplemento, plano alimentar ou tratamento.






Bibliografia:


1. Kimball SR, Jefferson LS. Regulation of global and specific mRNA translation by oral administration of branched-chain amino acids. Biochemical and biophysical research communications. 2004 Jan 9;313(2):423–7.

2. Proud CG. mTOR-mediated regulation of translation factors by amino acids. Biochemical and biophysical research communications. 2004 Jan 9;313(2):429–36.

3. Deldicque L, Theisen D, Francaux M. Regulation of mTOR by amino acids and resistance exercise in skeletal muscle. European journal of applied physiology. 2005 May;94(1-2):1–10.

4. Farnfield MM, Breen L, Carey KA, Garnham A, Cameron-Smith D. Activation of mTOR signalling in young and old human skeletal muscle in response to combined resistance exercise and whey protein ingestion. Applied Physiology Nutrition and Metabolism. NRC Research Press; 2012;37(1):21–30.

5. Farnfield MM, Carey KA, Gran P, Trenerry MK, Cameron-Smith D. Whey protein ingestion activates mTOR-dependent signalling after resistance exercise in young men: a double-blinded randomized controlled trial. Nutrients. 2009;1(2):263–75.

6. Wall BT, Hamer HM, de Lange A, Kiskini A, Groen BBL, Senden JMG, et al. Leucine co-ingestion improves post-prandial muscle protein accretion in elderly men. Clinical nutrition (Edinburgh, Scotland). Elsevier; 2013 Jun 1;32(3):412–9.




Sem comentários:

Enviar um comentário